Banner topo – Piauí Shopping Banner Topo Colégio Santa Rita Banner Topo – Lab. Marcello Albano Banner Topo Pivel Banner Topo – Datapicos
amarca

QUARTA-FEIRA, 23 de AGOSTO de 2017

OTÍLIO RODRIGUES

O Crime dos irmãos Batista, da JBS, e as minhas vãs preocupações

Os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, que nunca tiveram que tratar de questões como pagar uma prestação da casa, agora não podem mais sair nas ruas

31 de maio de 2017

Wesley e Joesley Batista, praticaram o crime “quase perfeito” com a cobertura de partidos e caciques  políticos brasileiros, da esquerda, do centro e da direita

Há milhões de coisas neste mundo que um mortal comum não entende. Entre elas, aí eu me incluo, encontra-se compreender como pode uma pessoa que possui um patrimônio de três bilhões de reais querer ganhar mais dinheiro? O que mais pode desejar na vida uma pessoa que dispõe de um patrimônio desses? Ora, quem possui um bilhão de dólares tem condições de adquirir tudo aquilo que o dinheiro pode comprar.

Do ponto de vista material, o que deseja uma pessoa comum? Segundo a escala da hierarquia de Maslow, primeiro, nós precisamos atender nossas necessidades biológicas: comer, beber, dormir, etc. Depois que isto se encontra saciado, aí buscamos atender as necessidades de abrigo e segurança, ou seja, procuramos um ninho para nos acomodarmos e descansarmos da labuta. Em seguida vem as necessidades imateriais, quais sejam, o desejo de relacionamento, depois o reconhecimento e por último a auto realização.

Você já se imaginou viver um dia sem ter que se preocupar com os problemas da falta de dinheiro? Pois é, os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, que agora se encontram no centro do furacão político que ameaça derrubar o governo Temer, estão no clube daqueles que nunca tiveram que tratar de questões comezinhas que azucrinam o cotidiano de milhões de mortais comuns, tais como juntar dinheiro para pagar uma prestação da casa, do carro ou pagar a conta de água, luz e o supermercado. Os irmãos Batista pularam direto para a terceira etapa da escala de Maslow.

Confesso que tenho curiosidade sobre a vida de bilionários. O que será que passa pela cabeça de uma pessoa que possui três bilhões de patrimônio? Quais são seus desejos? Quais são as suas preocupações diárias? Como será a vida de uma pessoa que não tem preocupações com o dinheiro?

É, mas os caipiras goianos não estavam satisfeitos com a sua situação financeira, queriam ganhar mais dinheiro ainda. Assim, resolveram entrar no ramo das atividades criminosas. Compraram apoio de políticos corruptos e fizeram doações ilegais para gente de todos os partidos. O que recebiam em troca ninguém sabe. Sua ambição desmedida não tinha fim, se enrolaram até o pescoço em operações fraudulentas e então tiveram que fazer uma delação premiada para se safarem do xilindró.

Agora não podem sequer fazer um passeio a pé por qualquer uma das cidades do território brasileiro. Na minha ingenuidade incorrigível, fico a meditar: será que o crime compensa? Como será que estes dois irmãos deitam à noite diante de suas consciências? Será que eles têm isso que chamamos de consciência? No exercício de suas atividades criminosas, teriam eles noção do mal que fizeram para o seu país? Ou seriam estas apenas preocupações vãs dos mortais comuns?

Otílio Rodrigues é economista, consultor empresarial e mora na cidade de Campinas (SP)

Notícias de Otílio Rodrigues

TV Folha Picoense

Solo de violão, incrível…

Publicidades

Dia Mundial Com – Lateral
Banner lateral – New Motos Honda
Banner Lateral – Novajet
Cultura FM ap – Lateral
Banner Lateral – Dr. José Almeida Leal
Banner Lateral – Dra. Ana Lúcia