BANNER DATA PICOS 14 5 2018 BANNER PIAUÍ SHOPPING MAIO 15 5 18 MARCELLO ALBANO TOPO BANNER DA CLÍNICA CARDIOTRAUMA TOPO Banner Livro Música para pensar Banner Topo Colégio Santa Rita Banner Topo Pivel
amarca

DOMINGO, 22 de JULHO de 2018

ESPORTES

Lesão esportiva na prática do JIU-JITSU

A prática dos esportes considerados de alto impacto deve ser criteriosamente dosada, tendo em vista que o surgimento de lesões por excesso de sobrecarga é seguramente maior que o de outras modalidades

01 de julho de 2017

Fisioterapeuta acompanha exercícios de atleta

O Jiu-Jitsu é uma modalidade antiga com quase um século de atividade no Brasil, porém não é vasta a literatura sobre lesões no jiu jitsu. Este é um tema particularmente importante, pois a prática de jiu jitsu tem como consequência a constante exposição dos praticantes a situações de riscos para lesões. Tendo em vista que o jiu jitsu é um esporte de muito contato, onde o objetivo da luta é a submissão do adversário através dos golpes da modalidade, que são impactantes principalmente nas articulações, é possível considerar a modalidade como lesiva.

Esta arte marcial se caracteriza por não opor resistência aos oponentes e sim usar a força dos oponentes contra eles mesmos. Esse estilo de luta se tornou conhecida a nível mundial pelo fato de favorecer a pessoa fisicamente mais fraca. É importante destacar que a modalidade não utiliza socos e chutes contra o adversário, e sim, alavancas e luta de solo.

Atletas do Jiu Jitsu durante realização de exercícios

Segundo Franchini et al. (2003), a finalidade do Jiu-Jitsu é basicamente vencer o oponente expondo-o em riscos de lesões, forçando-o à desistência ou então o deixando fora de ação, levando-o à inconsciência. Para tal prática, é utilizado arremessos (quedas), imobilizações, desequilíbrios, estran-gulamentos e chaves aplicadas às articulações do corpo.

A prática dos esportes considerados de alto impacto deve ser criteriosamente dosada, tendo em vista que o surgimento de lesões por excesso de sobrecarga é seguramente maior que o de outras modalidades, tendo, como resultado, grandes repercussões à saúde diante à iminência de uma lesão. As lesões costumam ocorrer em dois momentos distintos: fase de treinamento ou fase de competição. A fase treinamento é assinalada por lesões típicas e atípicas, ocorrendo de forma menos intensa e menos grave do que na fase de competição. Durante a fase de competição, tendo os atletas necessidade de autoafirmação, aspiração de superar marcas ou a desejo de vencer adversários torna o aparecimento de lesões atípicas e, sobretudo típicas aconteçam com uma frequência e gravidade bem maiores do que na fase de treinamento. (JUNIOR et al., 2015).

De acordo com Oliveira et al. (2013), o conhecimento prévio das lesões mais frequentes e a identificação de suas prováveis causas são de extrema importância para um programa preventivo, bem como para o planejamento do tratamento reabilitador, pois, dessa forma, minimiza- se o tempo de interrupção das competições e treinamentos, favorecendo a performance dos praticantes da modalidade. Dentro desse mesmo estudo foi possível constatar que os praticantes de jiu-jitsu de nível avançado exibem predomínio no total de lesões na prática do esporte, quando comparados aos de nível inicial, no complexo articular do ombro e do joelho. Em se tratando do mecanismo de trauma, os grupos igualmente mostraram que, as projeções (quedas) são as grandes agentes lesivas.

Recentemente, na 22ª edição do campeonato mundial de jiu-jitsu organizado pela IBJJF, o atleta brasileiro Rômulo Barral durante uma semi final tentou resistir a uma chave de pé aplicada pelo adversário ao perceber que ganharia a luta por pontos. O resultado disso foi uma lesão com rotura completa de vários ligamentos do tornozelo além de luxação da articulação.

O tratamento fisioterapêutico para esse tipo de lesão varia de acordo com cada caso. Pode-se destacar a importância do conhecimento do mecanismo da lesão, o tipo de atividade desenvolvida pelo paciente (hobbie, atleta amador ou profissional) e as repercussões fisiológicas que isso trará ao paciente, visando a aplicabilidade de técnicas e protocolos condizentes e específicos para que o paciente retome a prática do seu esporte favorito o quanto antes.


RICCARDO ALBANO é fisioterapeuta, pós-graduando em fisioterapia traumato-ortopédica e desportiva.

Posts Relacionados

Colunistas
Notícias Mais Lidas
Últimas Notícias

TV Folha Picoense

Solo de violão, incrível…

Publicidades

Banner lateral – Sintracs
Banner Lateral – Dr. José Almeida Leal
Cultura FM ap – Lateral
Banner Lateral – Dr. Alisson Cavalcanti
Banner Lateral – Novajet
Dia Mundial Com – Lateral