MARCELLO ALBANO TOPO Banner topo – Piauí Shopping Banner Topo – Datapicos Banner Topo Colégio Santa Rita BANNER DA CLÍNICA CARDIOTRAUMA TOPO Banner Topo Pivel Banner Livro Música para pensar
amarca

DOMINGO, 18 de FEVEREIRO de 2018

ECONOMIA

Henrique Meirelles prevê alta de 3,2% da economia no último trimestre de 2017

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também minimizou a queda de 0,9% do PIB dos três últimos meses de 2016 na mesma base de comparação

07 de Março de 2017

O ministro Henrique Meirelles concede entrevista a jornalistas

Fonte: correiobraziliense

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, demonstrou otimismo em relação à recuperação da economia e trabalha com alta de 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre de 2017 em relação ao trimestre anterior, ou seja, anualizado. Ele minimizou a queda de 0,9% do PIB dos três últimos meses de 2016 na mesma base de comparação. Esse dado superou as estimativas do mercado, que esperava retração de 0,6%, o que fez com que o tombo no ano passado fosse de 3,6%. Somando com ao recuo de 3,8% em 2015, o país registrou o pior resultado em dois anos da história.

“É um PIB negativo como se previa. Não há dúvida de que é uma crise que o Brasil viveu. Isso não foi construído em pouco tempo, foi ao longo de anos. Para se ter uma ideia, os investimentos caíram 30%, é muito. Tudo isso foi resultado de um queda de confiança e de um crescimento muito grande do tamanho do governo, absorvendo recursos da sociedade”, explicou ele, lembrando que o PIB potencial do país atualmente está em 2,3% e, para que ele cresça mais do que isso, serão necessárias reformas estruturantes e medidas microeconômicas para a ampliação do investimento.

O ministro afirmou que as “previsões consensuais” do governo são de que haverá um “crescimento robusto” daqui para frente. “Estamos trabalhando nas propostas para sustentar o crescimento (do PIB) a taxas mais elevadas”, disse. No entanto, ele reconheceu que uma expansão forte da economia deste ano será difícil porque a taxa de carregamento da queda do PIB no ano passado é elevada, em torno de 1%.

O titular da Fazenda contou que prevê alta de 2% no PIB do quatro trimestre na comparação com o mesmo período de 2016, mas não disse quanto preve para este ano. No entanto, ele também admitiu que o governo está revisando os parâmetros macroeconômicos que balizam o Orçamento deste ano e a meta fiscal deste ano prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de um rombo de R$ 139 bilhões para o governo central, que estima alta de 1,6% no PIB. E, para conseguir cumprir a meta fiscal, ele fará o que for necessário, inclusive, aumentar imposto. De acordo com fontes do governo, para cumprir essa meta serão necessários R$ 65 bilhões, e os recursos da segunda rodada da repatriação, algo em torno de R$ 20 bilhões a R$ 25 bilhões, não serão suficientes para cobrir esse rombo.

“Se for necessário aumentar imposto, será aumentado. Se for necessário contingenciar gastos públicos, será contingenciado. O que existe é um compromisso para cumprir a meta de primário para 2016”, afirmou.

Meirelles informou ainda que a reforma tributária será feita em partes. A primeira passará pela unificação das alíquotas dos tributos federais PIS-Pasep e Cofins, que será enviada ao Congresso Nacional “nos próximos 60 dias”. Essa proposta, aliás, não é nova. Foi iniciada durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.

“A reforma tributária como um todo está em andamento. Foi feita a primeira reunião na comissão especial da (Câmara dos Deputados) que está tratando deste assunto e envolve o Congresso, o governo federal, evidentemente, em um processo que vai envolver revisão de ICMS, de outros tributos, de estados, um processo que vai demandar tempo”, disse Meirelles nesta terça-feira (7/03) após a reunião do Conselhão, no Palácio do Planalto.

Meirelles contou que fará uma reunião com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e a presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), na tarde de hoje, para alinhar as estratégias para o futuro. Ele negou que haverá uma segunda devolução de títulos do Tesouro Nacional pelo BNDES neste ano, como ocorreu no ano passado, quando a entrada de R$ 100 bilhões ajudou a reduzir a dívida pública de 2016.

Fonte: correiobraziliense

Posts Relacionados

Colunistas
Notícias Mais Lidas
Últimas Notícias

TV Folha Picoense

Solo de violão, incrível…

Publicidades

Banner Lateral – Novajet
Banner Lateral – Dr. Alisson Cavalcanti
Banner lateral – New Motos Honda
Banner Lateral – Dr. José Almeida Leal
BANNER LATERAL CARDIOTRAUMA ALBANOS
Dia Mundial Com – Lateral
Banner Lateral – Dra. Ana Lúcia
BANNER LATERAL LABORATÓRIO MARCELLO ALBANO
Banner Lateral – Central papelaria
Cultura FM ap – Lateral
Banner Lateral – Casa do Automóvel